Dia 22/11/09 - 5ª Caminhada em Defesa da Vida e Liberdade Religiosa Salvador/BA

 

Saída do Busto de Mãe Runhó
Engenho Velho da Federação

Participe! 

Em todo o Brasil grupos afro-religiosos unem-se para pedir o fim da discriminação e intolerância religiosa. Tem sido comum, caminhadas e fóruns, nos quais, o segmento afro-religioso, e até artistas, intelectuais e representantes de várias crenças, denunciam o preconceito e a perseguição por parte de outros grupos religiosos ou não. Tolerância religiosa significa reconhecer que cada povo, cada cultura, cada comunidade tem o direito de possuir sua própria religião e um modo próprio de reverenciar suas divindades. O objetivo da caminhada é garantir o nosso direito as manifestações culturais de matriz africana e o fortalecimento político-cultural destas comunidades tracionais de terreiros.

 *O Engenho Velho, por ser um bairro com o número maior em quantidade de casas de candomblé, no total de 19 terreiros das nações Ketu, Nagô e Jeje e também por ser um dos locais que apresenta um grande percentual de população negra na cidade de Salvador, passou a ser reconhecido como comunidade de resistência negra. Este conceito é chamado quilombos urbanos. O bairro do Engenho Velho da Federação é único que possui um monumento público em homenagem a uma mulher negra em Salvador, em memória a mãe-de-santo Maria Valentina, a Doné Runhó do Terreiro do Bogum. O busto fica na praça no final de linha do bairro, recebendo o nome de Praça Mãe Runhó.

Notícias da Bahia (10.10.2009)
Por: Antonio Jorge Moura
Debate realizado no Memorial das Baianas, dia 09/10, na Praça da Sé, marcou o lançamento da 5ª Caminhada Nacional pela Vida e Liberdade Religiosa, que será realizada nos dias 21 e 22 de novembro, em Salvador. O evento acontece desde 2005, mas desta vez ganhou uma dimensão nacional, com a participação de 10 estados brasileiros, com seus representantes das religiões de matriz africana. Esta edição contará com a presença do ministro da Cultura, Juca Ferreira, e está sendo organizada pelo Coletivo de Entidades Negras (CEN), com apoio da Secretaria Municipal da Reparação (Semur), e outras instituições como a Federação Nacional do Culto Afro-Brasileiro.